Google+ */?>
  • Artigos
  • Carreira
O que não te dizem sobre as cartas de motivação – e que precisas mesmo de saber!

O que não te dizem sobre as cartas de motivação – e que precisas mesmo de saber!

14 de Outubro de 2015

As dicas que tu segues para que a tua carta de motivação te destaque dos restantes… são também utilizadas por centenas de outras pessoas que estão a candidatar-se à mesma vaga que tu! Está na altura de passares à fase seguinte: DESTACA-TE.

Uma carta precisa de ter algumas caraterísticas básicas que, se passaste algumas horas a pesquisar, já deves ter encontrado, mas que nunca são demais relembrar:

Endereça a carta à pessoa que a vai ler, explica por que queres trabalhar naquela empresa, não excedas 1 página, mostra porque és a pessoa indicada, agradece o tempo despendido a ler a candidatura, etc.

Se queres tornar a tua carta diferente, sê diferente. Arrisca! Deixa transparecer um pouco da tua personalidade, passa energia e boa disposição, cria um elo entre ti e o recrutador. Ele irá querer entrar em contacto contigo!

Agora passamos ao como:

1- Pensa na carta como um Pitch – Deve ser rápida de ler. Mostra que sabes destacar apenas o extremamente importante. O resto vem na entrevista. A carta é para deixar água na boca, como quando provas algo novo e queres mais. É essa a sensação que tens de deixar no teu leitor.

 2- Se tens dúvidas em alguma informação, segue o teu instinto. – Se tiveste um cargo como delegado de turma ou fizeste parte de uma associação de estudantes, diz apenas isso e se for relevante. Não enumeres as tuas responsabilidades. A carta não é o teu CV!

 3- A carta serve para FALARES com o recrutador. Esquece o discurso demasiado formal: troca-o pelo marketing pessoal. Diz-lhe o que te atrai na empresa, o que te surpreendeu pela positiva ao procurares informação no site. Cria assim empatia e pontos em comum. (vê o ponto seguinte)

 4- Desprende-te de frases feitas como “ao pesquisar o V/ site reparei que desenvolvem projetos na área de … e gostava de futuramente poder vir a colaborar convosco, pois já tenho experiência em projetos semelhantes, como pode ver no meu CV”. Faz um update à tua escrita para algo do género: “Ao entrar no V/ site, reparei imediatamente que desenvolvem projetos em … e isso despertou o meu interesse pois também já desenvolvi projetos nessa área e adorava voltar a fazê-lo.” Mostras muito mais interesse, energia, paixão pelo que fazes. Aqui está um exemplo de como dar um cunho da tua personalidade e passar energia e boa disposição.

5 – Fala sobre ti! – Mas não digas que fazes natação, que gostas de fotografia e de ouvir música. É banal (e já todos o dizem). Procura aquilo que te distingue de entre a multidão. É provavelmente a tarefa mais difícil, mas dar-te-á um bom destaque.

6- Pesquisa resumos de perfis no Linkedin – isso ajudar-te-á a pores-te na pele do recrutador e a saber o que ele sente quando vê demasiados resumos do mesmo formato. Encontras alguns que se destacam? Toma notas e adapta ao teu estilo. Nunca copies.

 Procura aquilo que te distingue de entre a multidão.

 Como saber se a carta está pronta para enviar: revê os pontos anteriores e, se não te parecer suficientemente apelativo, ainda lhe podes dar uns retoques.

Ah! Muito importante! Não dês a tua carta a ler a pessoas que não as escrevem. É um tipo de escrita a que não estão habituadas e provavelmente não saberão dar-te o feedback que procuras.

Texto de Carolina Farinha

  • Artigos Relacionados